Ativista gay da Ucrânia é agredido em frente a jornalistas

Svyatoslav Sheremet, líder de uma organização LGBT da Ucrânia, foi agredido neste domingo (20) em Kiev, capital do país, depois de ter saído de uma coletiva de imprensa para informar sobre o cancelamento da parada gay da cidade. Sheremet foi fotografado ensanguentado e recebendo chutes e socos de três homens com os rostos cobertos.  Os agressores fugiram quando perceberam que havia fotógrafos registrando o ataque.

A Ucrânia foi o primeiro país da ex-URSS reconhecido pelas Nações Unidas que descriminalizou a homossexualidade, em 12 de dezembro de 1991. No entanto, a constituição do país, aprovada no mesmo ano, não menciona explicitamente a orientação sexual ou de gênero. Ela contém várias cláusulas que citam os direitos humanos básicos, incluindo a igualdade de direitos, “independentemente de convicções políticas, religiosas e outras” ou “outras características”, mas o poder judiciário ucraniano tem evitado que estas cláusulas sejam usadas na luta pela equiparação dos direitos da comunidade LGBT.

Em um levantamento feito em dezembro de 2007 pela Angus Reid Global de Monitor, 81,3% dos ucranianos entrevistados disseram que as relações homossexuais não são “nunca aceitáveis”.

Em outra pesquisa do mesmo instituto, em uma longa lista de possíveis reformas sociais no país, o casamento gay só recebeu 4,7% dos votos, o mais baixo de todos os tópicos em questão.

Nenhum partido político do país, nem mesmo os menores ou considerados mais de esquerda, defende formalmente os direitos LGBT.  Na Ucrânia, não há leis anti-discriminação abrangendo orientação sexual e, mais recentemente, grupos anti-gays e políticos têm tentado classificar qualquer programa de televisão ou filme com temática LGBT como pornográfico.

Um dos principais grupos anti-gay da Ucrânia, “Amor contra a homossexualidade”, tem o apoio público de celebridades e membros do parlamento que acreditam que as pessoas do coletivo LGBT são “pervertidos sexuais”.

Nos últimos meses, voltou a ser debatida na Ucrânia a proposta de uma lei anti-propaganda gay. O projeto tem como objetivo proibir que se discuta a homossexualidade publicamente, alegando que “a lei pretende proteger os menores e impedir o avanço do HIV”.

Em março, a segunda maior cidade da Rússia, São Petersburgo, aprovou uma lei que proíbe a difusão de qualquer material LGBT ou de qualquer ato que seja considerado propagandista deste coletivo. Outras quatro regiões da Rússia já possuem lei semelhante e três cidades da Moldávia.

A Europa do Leste tem saltado ultimamente às manchetes internacionais devido aos esforços em se proibir a visibilidade LGBT e a promoção da cultura gay. Os parlamentos da Moldávia, da Lituânia e da Hungria e a prefeitura de Moscou estudam propostas parecidas.

fotos da Reuters

fotos da Reuters

Esse post foi publicado em Política, Sociedade e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s