Tentativa de parada gay em Moscou termina em violência policial e prisões

A tentativa de organizar neste domingo (27/05) uma parada gay em Moscou foi mais uma vez frustrada pela forte ação policial. Religiosos também se concentraram no centro da capital russa para impedir que os ativistas LGBT protestassem contra o projeto de lei anti-propaganda gay que está sendo discutido em Moscou. A lei já entrou em vigor em cinco regiões da Rússia.

Ao todo, dez pessoas foram detidas – três membros da Igreja Ortodoxa Russa e sete ativistas gays -, incluindo o principal líder do movimento LGBT da Rússia e organizador do evento, Nikolai Alekseyev. Todos foram liberadas em seguida. Alguns membros da Igreja Ortodoxa chegaram a exibir cartazes provocativos com frases como “Moscou não é Sodoma”.

Policiais em Moscou prendem líder do movimento LGBT da Rússia e organizador do evento, Nikolai Alekseyev. Reuters

As autoridades de Moscou negam desde 2006 a autorização para a realização da parada gay, mas alguns poucos ativistas, geralmente não mais do que 20, se reúnem na praça Manej, ao lado do Kremlin, e caminham até a Duma, a câmara baixa da Assembleia Federal da Rússia. A cena se repete todos os anos e o desfecho é sempre o mesmo.

Em São Petersburgo, parada gay também terminou com agressões

Dezenas de indivíduos com os rostos cobertos com máscaras atacaram a manifestação do movimento LGBT realizada no dia 18 de maio em São Petersburgo. O protesto havia sido autorizado pela prefeitura e foi o primeiro ato público da comunidade desde que entrou em vigor em março a lei anti-propaganda gay na cidade, a segunda mais populosa da Rússia.

Os participantes se reuniram no Parque Petrovsky e lançaram balões coloridos ao ar, protegidos por um cordão de isolamento. Dezenas de outras pessoas, contrárias ao ato, gritavam palavras de baixo calão e tentavam ultrapassar a proteção policial.

Testemunhas disseram que uma pessoa não identificada disparou uma bala de borracha no rosto de um dos ativistas LGBT. A polícia agiu rapidamente e colocou os ativistas dentro de um ônibus. Frustrados com a ação policial, os skinheads e jovens que se concentravam para atacar o grupo LGBT seguiram por engano um ônibus que transportava trabalhadores da Ásia Central e atiraram pedras no ônibus, quebrando as janelas e entrando para agredir os passageiros. Não havia policiamento na área durante o ataque ao ônibus e algumas pessoas foram agredidas. O serviço de imprensa da Polícia de São Petersburgo disse que não houve feridos no incidente.

Opinião pública e visibilidade

Uma pesquisa realizada em julho de 2010 pelo Centro para Pesquisa de Opinião Pública da Rússia revelou que 74% dos russos acreditam que gays e lésbicas têm um desvio moral ou um problema mental. Dos entrevistados, 39% acreditam que os homossexuais devem ser tratados à força para que mudem a sua orientação sexual e 24% acreditam que devem ser enviados a psicólogos.

Quando o assunto é a igualdade de direitos, as respostas são menos negativas. 45% dos russos acreditam que gays e lésbicas devem ter os mesmos direitos dos cidadãos heterossexuais. No entanto, apenas 14% apóiam o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Quase a totalidade dos entrevistados – 84% dos russos – é contrário à parada do orgulho LGBT.

Em uma de suas capas, em abril, a revista Bolshoy Gorod (Grande Cidade) colocou o polêmico título: “Neste número, nas páginas 18-31, mostramos que a orientação homossexual também é normal, como a heterossexual. Não mostrem esta edição aos idiotas e aos deputados de São Petersburgo”. As cores do arco-íris na borda completaram a capa.

capa da revista Bolshoy Gorod, retratando a homossexualidade como algo normal

No entanto, a diversidade sexual não é um tema comum na mídia russa e quando é exibido pelos grandes meios de comunicação, geralmente é retratado de maneira estereotipada – como o gay afeminado e engraçado – ou como um “mal do Ocidente”.

“Artistas e estrangeiros podem ser gays porque já são excêntricos ou diferentes, mas com o vizinho ou colega de trabalho, o tema não existe”, explica Fyodor, um jovem gay que foi à parada de Moscou. “Até mesmo entre a população jovem moscovita o tema é um tabu e os gays preferem esconder sua sexualidade ou revelá-la apenas aos mais próximos”, diz.

Para Marina Maria Ribeiro, assistente de comunicação e projetos do Secretariado
do Observatório de Sexualidade e Política, o excesso de visibilidade não
necessariamente implica em mudanças e na efetivação de políticas públicas
que contemplem os direitos reivindicados. “A visibilidade de demandas é
inquestionavelmente uma conquista do movimento social e, ao mesmo tempo, um
avanço em termos de instrumento político assegurado por governos democráticos. No
entanto, a incorporação destas demandas pela gestão pública é um outro passo do
mesmo processo”.

Tema proibido

Andrei e Aleksei têm 32 anos e estão juntos há sete. Mas vivem uma vida dupla. Para os amigos próximos, são um casal. Para a sociedade, apenas dividem apartamento como bons amigos. A cumplicidade que os dois compartilham é proibida na Rússia.

Andrei (direita) com o parceiro Aleksei: “queremos ter filhos, mas provavelmente teremos que fingir que as crianças têm pais divorciados”

“Aqui é um tema proibido. Não falamos sobre isso porque tememos a reação das pessoas”, afirma Andrei. “Eu contei aos meus pais há 11 anos e eles demoraram muito para aceitar. Ficaram tristes, confusos, perdidos, deprimidos”. Ele quer contar a verdade à tia, mas também tem medo de que ela tenha uma reação negativa. “Gostaria de falar com ela abertamente sobre este lado da minha vida, mas não sei como tocarei no tema”, diz.

O medo do ostracismo social é a principal preocupação da comunidade LGBT e suas famílias. “Quando falamos com nossos pais sobre a nossa relação, a primeira pergunta foi a respeito dos netos”, conta Andrei. Na Rússia, os jovens ainda sonham com o casamento tradicional, mesmo nas grandes cidades, e poucos chegam aos 30 anos solteiros.

“Nós também queremos ter filhos, mas provavelmente teremos que fingir que as crianças têm pais divorciados e o outro rapaz é o tio ou amigo. Para o nosso círculo de amigos, seremos uma família homoparental. Para a sociedade, seremos amigos vivendo juntos e criando uma criança. Se ficarmos na Rússia, esta é a maneira mais fácil para que um casal gay tenha filhos”, explica Aleksei.

Os problemas do casal se estendem ao dia-a-dia. Alugar um apartamento como um casal, por exemplo, é algo impensável. Os rapazes precisam fingir que são solteiros querendo dividir o apartamento e a cama de casal. Os russos fecham os olhos diante da obviedade e preferem fingir que a situação não existe. Não é um preconceito direto, mas geralmente, uma discriminação que força ao mútuo consentimento da invisibilidade. “Nós temos sorte porque nossos amigos não olham para a nossa sexualidade. Temos amigos gays e heterossexuais e isso nunca foi um problema”.

“Discrição, Enrique. Estamos na rua”

O mexicano Enrique é apaixonado pela Rússia, por um russo e pela praça Vermelha. Namora há um ano e meio o tímido Dima, nascido na cidade de Chelyabinsk, perto dos Montes Urais, fronteira geográfica da Europa e da Ásia.

A família de Enrique sabe que os dois jovens moram juntos e são um casal. A família de Dima não. E nem vai saber. Para eles, Enrique é o seu melhor amigo e Dima prefere assim. “Acho melhor tratar o tema como algo privado, sem envolver a minha família. Se eles soubessem que sou gay, não seria fácil para ninguém”, justifica.

Sempre que estão na rua, Dima pede a Enrique, de coração e gestos latinos, que não demonstre seu afeto. “Tenho medo da discriminação e até mesmo de agressões físicas”, revela o russo.

Esse post foi publicado em Cultura, Política e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Tentativa de parada gay em Moscou termina em violência policial e prisões

  1. sandra disse:

    Muito boa materia, Sandro….. beijos…

    Sandra

  2. Pablo disse:

    Muito boa a materia. Esta posicao da Russia com relacao aos homessexuais me deixa muito triste. Como pode um país, ao mesmo tempo, ser tao rico culturalmente e tao fechado para o tema “homossexualidade”?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s